HOME SHOPPINGS ACT CCT TABELAS SINDICAIS CONTATO
CONTRIBUIÇÕES Contribuição
Sindical
Contribuição
Confederativa
Contribuição
Assistencial
Solicitação
de Boleto

Inauguração

Com investimento de milhões, restaurante Coco Bambu chega a Curitiba para ocupar três andares do Shopping Crystal

Especializado em frutos do mar, grupo nordestino deve inaugurar mais seis lojas no Brasil e exterior até março






Por Denise Mello - julho/2015




Com sotaque nordestino e uma missão: acabar com a ideia de que camarão é coisa de gente rica. Esse é o objetivo do Restaurante Coco Bambu, rede especializada em frutos do mar, que se espalha pelo país, inclusive Curitiba. Até o final deste ano, uma nova unidade será inaugurada no Shopping Crystal. Já em obras, o restaurante vai ocupar três andares do empreendimento da BRMALLS, com capacidade para 700 pessoas. Um investimento grandioso que deve ficar entre 8 e 10 milhões de reais.


À frente do grupo um engenheiro civil que há décadas se dedica ao ramo gastronômico. Afrânio Barreira é o sócio majoritário da rede Coco Bambu e tem como parceiros os empresários e fundadores do restaurante Daniela Barreira, Idésio Rolin e Eugênio Vieira. Todos de Fortaleza, local da primeira unidade inaugurada em 2001.



Empresário Afrânio Barreira e sua esposa e sócia, Daniela Barreira - Foto: Revista Exame


“Gostaríamos muito de vir para Curitiba e recebemos o convite do Shopping Crystal. Chegando aqui vimos que a opção não pode
ria ser melhor. A localização é excelente, o shopping fica próximo de uma rede comercial que gera fluxo para o almoço, além de também estar em uma região frequentada no período noturno. Além disso, o espaço é ótimo e o projeto está ficando fantástico, ocupando três andares do Crystal para oferecer uma grande operação”, explica Barreira em entrevista ao Sindishopping.


O mega restaurante será instalado em uma área  total de 1.800 metros quadrados e vai oferecer um cardápio com 200 pratos dife
rentes. “Teremos pratos para um tíquete médio que ficará a critério do consumidor. Vamos oferecer, por exemplo, a opção de um prato com camarão farto a R$ 100 suficiente para servir muito bem quatro pessoas. Isso é mais barato que qualquer fast food”, diz o empresário.


A relação custo-benefício é o principal atrativo do Coco Bambu, que trabalha com a ideia de que camarão, ou qualquer fruto do mar, não precisa ser necessariamente caro. Pelo contrário. “Essa é a nossa proposta para Curitiba, e já adotada em nossas 16 unidades. Oferecer um excelente custo-benefício em que o cliente sai encantado não só pela comida, mas também pelo valor pago. Isso num ambiente com um certo luxo, mas não sofisticado a ponto de incomodar”.


Restaurante Coco Bambu no Brasilia Shopping


Crescimento



O Coco Bambu é uma das redes de restaurantes do Brasil que mais cresceu nos últimos anos. Conta atualmente com 16 unidades em seis estados e já anunciou sua expansão com inauguração de mais seis unidades até março de 2016.  Além de Curitiba, a rede vai inaugurar mais duas unidades em São Paulo; uma no Distr
ito Federal, outra em Vila Velha (ES) e a primeira unidade fora do País, em Miami. “Vamos aumentar em quase 50% nossa rede e ampliar no mesmo volume nosso faturamento”, prevê Barreira.


O empresário explica que o restaurante possui uma administração descentralizada com lojas que funcionam como empresas autônomas, cada uma com três sócios gestores, que dedicam 100% de seu tempo à gestão. Modelo de administração criado pelos sócios principais.


“Quando fundamos o Coco Bambu em 2001 já tínhamos a ideia de crescer e a dúvida era como fazer isso. O modelo tradicional de expansão nos pareceu ineficiente, complicado demais. Criamos então nosso próprio modelo. Cada unidade é administrada como uma unidade distinta, com três donos também distintos. Um trio que cuida de todos os detalhes e interage com os sócios-majoritários dividindo as dificuldades e apresentando as soluções. É a proposta primitiva do dono abrir e fechar a loja, de perto, controlando o estoque, os serviços, as compras, os funcionários, tudo bem perto do cliente. Cada unidade é tratada assim. Se você chegar as 10 horas da manhã, terá um sócio presente. Se chegar as 23 horas, também. Com o olho do dono se alcança a perfeição. Assim que trabalhamos e tem dado muito certo”, explica o lojista.






Que crise?

E não
venha falar em crise para Afrânio Barreira. Otimista de carteirinha ele diz que ignora diariamente a crise econômica que o país atravessa e aposta numa recuperação. “Aposto e trabalho sempre pelo crescimento. Ignoro sim este mal momento econômico que o país atravessa. Claro que a situação não é das mais favoráveis, mas preferimos acreditar que uma rede como a nossa será favorecida em momentos assim. As pessoas querem custo-benefício e naturalmente migram para restaurantes como o nosso, deixando de lado as opções mais caras. Essa crise não vai nos derrubar. Sou otimista e acredito que esta crise é temporária. O Brasil está mudando, as pessoas estão acordando e certamente haverá uma retomada econômica após esse período ruim passar. E vai passar”, diz Barreira.


Tanto é assim que, só em Curitiba, Barreira esti
ma um investimento entre 8 e 10 milhões de reais. “Não tenho o valor fechado do investimento para a abertura da unidade de Curitiba, mas uma loja neste padrão gira em torno de 8 a 10 milhões de investimento. E esse custo sai até mais barato pra gente porque nós, sócios, sempre optamos em assumir a construção. Se fôssemos contratar uma empresa para isso, sem dúvida ficaria mais caro. E como entre os sócios temos profissionais de todos os perfis - engenheiros, arquitetos, advogados, administradores – sempre conseguimos otimizar esse investimento inicial”, finaliza.

       

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Grupo Lady&Lord prepara terceira marca de salões

Leia +

AliExpress testa primeira loja física no país em Curitiba( Shopping Mueller)

Leia +

Investimentos puxam avanço de 0,4% no PIB brasileiro do 2º trimestre

Leia +

Reforma tributária vai cortar 20% de recursos do Sistema S, diz secretário

Leia +

Aprovada MP da Liberdade Econômica

Leia +

56% dos inadimplentes não pretendem fazer novas compras após quitar dívidas

Leia +

Brasil tem 45 milhões de desbancarizados

Leia +

Varejo de moda registra crescimento depois de período morno

Leia +
ARQUIVO    Clique para ver todas as notícias

CADASTRO

Cadastre-se e receba notícias
do Sindishopping


NOME
EMAIL
TELEFONE