HOME SHOPPINGS ACT CCT TABELAS SINDICAIS CONTATO
CONTRIBUIÇÕES Contribuição
Sindical
Contribuição
Confederativa
Contribuição
Assistencial
Solicitação
de Boleto

Industria

5 PROBLEMAS ENFRENTADOS PELA INDÚSTRIA NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2017

Os principais obstáculos ao crescimento do setor estão na Sondagem Industrial da CNI,




A indústria brasileira enfrenta uma série de dificuldades para retomar a atividade e voltar a crescer. Os obstáculos ao crescimento do setor no terceiro trimestre de 2017 foram identificados na Sondagem Industrial, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), que ouviu 2.482 empresas de todo o país entre 2 e 17 de outubro.
Veja quais são, na avaliação dos empresários, os principais problemas da indústria:
1. Elevada carga tributária
Sempre no topo da lista, a carga tributária, com 45% das menções, ficou mais uma vez em primeiro lugar no ranking. O peso dos impostos eleva os custos e reduz as chances da indústria brasileira competir com os produtos estrangeiros nos mercados interno e externo. Também afasta investidores e estimula a informalidade. Por isso, a CNI defende uma reforma tributária que simplifique o sistema de arrecadação e reduza o peso dos impostos sobre a produção.
2. Demanda interna insuficiente
A falta de demanda permanece em segundo lugar na lista de dificuldades enfrentadas pelas indústrias. Quando o consumo está fraco, as indústrias reduzem a produção, suspendem investimentos e dispensam empregados,  o que acaba reduzindo o crescimento da economia.  No entanto, o número de menções conferidas à demanda interna insuficiente recuou de 40,4% no primeiro trimestre para 36,5% no terceiro trimestre de 2017. Isso confirma os sinais de recuperação do consumo e, consequentemente, da atividade industrial.
3. Inadimplência dos clientes
Em terceiro lugar no ranking aparece a inadimplência dos clientes. O atraso dos clientes no pagamento das dívidas afeta o caixa das empresas, que precisam de recursos para honrar despesas operacionais, como salários, conta de energia, aluguéis e fornecedores. Quando a inadimplência aumenta muito, a empresa pode se ver obrigada a deixar de pagar suas contas e até demitir empregados. Mas, com os sinais de melhora da economia, as menções à inadimplência dos clientes caíram de 24,7% no quarto trimestre de 2016 para 21% no terceiro trimestre de 2017. Isso é mais um sinal de que o Brasil começa a sair da pior crise da sua história.
4. Falta de capital de giro
A falta de capital de giro, que aparece em quarto lugar no ranking do terceiro trimestre, obriga a empresa a recorrer a empréstimos bancários e, em alguns casos, adiar os compromissos com fornecedores, com o pagamento de impostos e até dos salários.  Sem dinheiro para honrar os compromissos do dia a dia, a empresa adia investimentos e pode até diminuir a produção e dispensar empregados. O número de assinalações à falta de capital de giro caiu de 22,1% no quarto trimestre de 2016 para 18,5% no terceiro trimestre deste ano.
5. Taxa de juros elevadas
Os juros altos, que caíram do quarto para o quinto lugar na lista dos principais problemas enfrentados pelas empresas, aumentam os custos dos financiamentos e desestimulam investimentos na produção. Com as sucessivas quedas nos juros básicos da economia, as assinalações neste problema recuaram de 27,9% no quarto trimestre de 2016 para 18,2% no terceiro trimestre de 2017.
Por Verene Wolke  -  Agência CNI de Notícias

Indústria mantém trajetória de recuperação
A Sondagem Industrial CNI mostra que a recuperação da indústria segue em curso. A produção industrial cresceu na passagem de setembro para outubro, diferentemente do que tinha ocorrido nos últimos dois anos. Destaca-se ainda que o emprego industrial parou de cair.
Outubro/2017