HOME SHOPPINGS ACT CCT TABELAS SINDICAIS CONTATO
CONTRIBUIÇÕES Contribuição
Sindical
Contribuição
Confederativa
Contribuição
Assistencial
Solicitação
de Boleto

Trabalho

Em busca de trabalho

Na esteira da crise econômica, país gera empregos precários, o que torna retomada mais difícil



A recessão de 2014-16, por sua profundidade e duração, deixou sequelas profundas no mercado de trabalho. Além do salto recorde do desemprego e da precariedade dos postos gerados nos últimos dois anos, a crise expôs fragilidades que não são apenas conjunturais.

Se já claudicava, a retomada da economia agora vive sob o risco de perder o que havia do ímpeto recente. Nos últimos meses, a taxa de desocupação praticamente estacionou perto dos 13% da população ativa —ou, vale, dizer, mais de 13 milhões de brasileiros.

Forma-se, de certo modo, um círculo vicioso, na medida em que a debilidade das vagas compromete o potencial de recuperação da atividade em geral. Trabalhadores sem carteira assinada têm maior dificuldade de acesso ao crédito bancário e menor potencial de consumo, por exemplo.

Os aspectos estruturais, contudo, são ainda mais preocupantes, como mostrou caderno especial publicado por esta Folha.

Um deles é o desemprego entre os mais novos, que disparou entre o fim de 2014 e o início deste ano. Hoje, 44% dos que tem entre 14 e 17 anos e 28% dos que tem entre 18 e 24 anos não conseguem um lugar no mercado, o dobro dos percentuais verificados antes da crise.

Trata-se de um enorme retrocesso. Segundo o Banco Mundial, a parcela de jovens em situação de vulnerabilidade (que inclui os que não estudam nem trabalham, os que estão atrasados na escola e os que têm ocupações informais) havia caído de 62% para 52%, no período de 2004 a 2015.

A ameaça, agora, é a reversão dessa melhora, com consequências de longo prazo. Pesquisas em países desenvolvidos indicam que trabalhadores de menor experiência que enfrentam uma recessão podem sofrer perda permanente de renda e mostram maior probabilidade de se envolver em crimes.

A baixa qualificação da mão de obra, os obstáculos para o aumento da produtividade no país e os desafios trazidos pelo avanço da tecnologia, além disso, indicam que a geração de postos de qualidade não ocorrerá facilmente.

Entre 1995 e 2015, a produtividade do trabalho no Brasil cresceu a metade do que se mediu em países comparáveis, segundo estudo da Fundação Getulio Vargas. Desde 2014, houve queda de 3,6%, explicada, em boa parte, pela expansão do emprego informal —por natureza, menos eficiente.

Ainda passaremos nos próximos anos pelos efeitos, negativos e positivos, das transformações tecnológicas. A Confederação Nacional da Indústria aponta que 77% das empresas brasileiras ainda não passaram do 2º estágio (de um total de 4) da revolução digital.

Estudo da consultoria McKinsey indica que entre 3% e 14% da população mundial precisará se reinventar na próxima década para se adaptar à nova realidade da produção, no que promete ser a transição mais rápida da história.

É nesse contexto que o Brasil precisará buscar políticas públicas para a qualificação da mão de obra e a geração de emprego. Contar apenas com a retomada do crescimento não dará conta do problema.


fonte: - Danilo Verpa/Folhapress
11.jun.2018 às 2h00

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Novo shopping de Curitiba já tem data para inaugurar

Leia +

Shoppings perdem clientes com Copa e greve

Leia +

Roupas, eletrônicos, livros e joias entram em promoção em shoppings

Leia +

Lojas trabalham com excesso de estoque

Leia +

É hora de abrir um negócio no shopping?

Leia +

SHOPPING MUELLER RECEBE VIVER KIDS DAY

Leia +

FECOMÉRCIO PR TEM NOVA DIRETORIA

Leia +

Lojas Renner anuncia mudanças em diretoria

Leia +
ARQUIVO    Clique para ver todas as notícias

CADASTRO

Cadastre-se e receba notícias
do Sindishopping


NOME
EMAIL
TELEFONE