HOME SHOPPINGS ACT CCT TABELAS SINDICAIS CONTATO
CONTRIBUIÇÕES Contribuição
Sindical
Contribuição
Confederativa
Contribuição
Assistencial
Solicitação
de Boleto

economia

Lojas trabalham com excesso de estoque

Levantamento da CNC mostra que, em junho, 30% dos lojistas do País tinham produtos sobrando.




Levantamento da CNC mostra que, em junho, 30% dos lojistas do País tinham produtos sobrando.
Passado o efeito do desabastecimento provocado pela greve dos caminhoneiros, agora sobram produtos nas lojas. O comércio varejista tem de lidar com o excesso de estoque em um cenário de queda na intenção de consumo, motivada em parte pela disparada do dólar. E a situação pode se agravar com a proximidade das eleições.
Pesquisa da Confederação Nacional do Comércio (CNC) com 6 mil lojas do País mostra que 30,7% delas tinham, no início de junho, estoques de bens duráveis, como eletrônicos, eletrodomésticos e veículos, acima do adequado ao ritmo de consumo – 14,3% tinham produtos abaixo do que seria normal. 
O quadro se repete para bens não duráveis (alimentos e produtos de higiene e limpeza): 27% das lojas tinham produtos acima do adequado e 11,8% abaixo. “A parcela de empresas que está com estoque sobrando é mais que o dobro da que está com falta de produto”, diz o economista-chefe da CNC, Fabio Bentes. 
O executivo de uma rede de eletrodomésticos diz que os estoques aumentaram no varejo porque o consumo está fraco. Ele acredita que o segundo semestre será complicado por causa do cenário eleitoral, apesar de a sazonalidade ser normalmente mais favorável ao consumo nesse período.
Confiança. Em junho, piorou a expectativa tanto de empresários quanto de consumidores, segundo a CNC. A confiança dos empresários do varejo caiu 3,5% ante maio, descontadas influências sazonais – maior recuo em três anos. A intenção de consumo das famílias baixou 0,5%. Além da greve, a alta do dólar afetou o consumo e a disposição para comprar bens duráveis.
A decisão dos bancos de reduzir prazos de financiamentos para pessoas físicas também abala a intenção de consumo. O prazo médio passou de 15,8 meses em abril para 14,2 meses em maio, de acordo com Relatório de Crédito do Banco Central – um efeito dessa redução é o aumento do valor da prestação.
fonte: • Márcia De Chiara e Cleide Silva, O Estado de S. Paulo / 8.7.18

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Novo shopping de Curitiba já tem data para inaugurar

Leia +

Shoppings perdem clientes com Copa e greve

Leia +

Roupas, eletrônicos, livros e joias entram em promoção em shoppings

Leia +

Lojas trabalham com excesso de estoque

Leia +

É hora de abrir um negócio no shopping?

Leia +

SHOPPING MUELLER RECEBE VIVER KIDS DAY

Leia +

FECOMÉRCIO PR TEM NOVA DIRETORIA

Leia +

Lojas Renner anuncia mudanças em diretoria

Leia +
ARQUIVO    Clique para ver todas as notícias

CADASTRO

Cadastre-se e receba notícias
do Sindishopping


NOME
EMAIL
TELEFONE