HOME SHOPPINGS ACT CCT TABELAS SINDICAIS CONTATO
CONTRIBUIÇÕES Contribuição
Sindical
Contribuição
Confederativa
Contribuição
Assistencial
Solicitação
de Boleto

Economia

Após fechar 223 mil lojas em três anos, varejo retoma inaugurações

Expectativa é de que setor termine 2018 com saldo de 7 mil



Após fechar 223 mil lojas em três anos, varejo retoma inaugurações
Expectativa é de que setor termine 2018 com saldo de 7 mil novos estabelecimentos comerciais no País; números demonstram recuperação gradual da confiança dos empresários e dos consumidores após recessão, segundo a CNC


Neste ano, pela primeira vez desde o início da crise, o varejo abriu mais lojas do que fechou no País. Até outubro, entre abertura e fechamento de pontos de venda, 6 mil unidades foram inauguradas e a expectativa do setor é que o ano termine com um saldo de 7 mil novos estabelecimentos. Os números demonstram uma retomada do varejo, ainda que lenta e insuficiente para compensar o estrago dos anos de recessão. Entre 2015 e 2017, 223 mil lojas fecharam as portas.  


O movimento de expansão do comércio foi captado por um estudo feito pela Confederação Nacional do Comércio (CNC) a partir de dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). O levantamento indica que 2018 será o melhor ano para o setor desde 2013, quando o varejo ampliado, que inclui veículos e materiais de construção, cresceu 3,6% e registrou a abertura de 36,3 mil lojas, antes de mergulhar na crise.

“A recuperação neste ano, no entanto, tem sido gradual”, diz o economista-chefe da CNC, Fabio Bentes. Um sinal disso é que mais da metade das aberturas de lojas está concentrada em redes que vendem itens de primeira necessidade, como supermercados e farmácias. 

 A greve dos caminhoneiros, em maio, e a corrida eleitoral, no segundo semestre, abalaram a confiança de empresários e consumidores e tornaram mais lenta a retomada de todos os setores da economia, incluindo o varejo. A definição das eleições, segundo Bentes, melhorou as perspectivas. 

O empresário Sergio Zimerman, presidente da varejista Petz, que vende produtos para animais de estimação, atribui a expansão da rede ao sucesso de seu modelo de negócio e à troca de governo. “Se as coisas não estivessem caminhado nessa direção, eu estaria preocupado”, disse. A Petz abriu 18 novos pontos de venda em 2018. O último foi inaugurado ontem em São Paulo. Zimerman gastou R$ 100 milhões em expansão neste ano e pretende desembolsar o dobro no ano que vem, com 34 novas lojas.

A mudança de humor dos empresários, principalmente após as eleições, ficou evidente para Daniel Garcia, sócio-diretor do estúdio Jacarandá, um escritório de arquitetura especializado em varejo. “A aceleração dos projetos de novas lojas ocorreu no segundo semestre.” Seu escritório deve fechar o ano com 165 projetos – 57% mais que em 2017. 

Para 2019, Garcia tem 250 novas lojas na prancheta. Para dar conta do aumento de volume de trabalho, o arquiteto já ampliou em 30% o número de funcionários e vai dobrar o tamanho do escritório no ano que vem.

Segundo Bentes, da CNC, existe uma defasagem de ao menos seis meses entre o desempenho das vendas e as decisões de investimentos. Assim, a retomada vista neste ano reflete o crescimento de 4% do varejo no ano passado e de 5,3% até outubro.
fonte:  O Estado de S. Paulo
22 Dezembro 2018.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Bancos, baixem os juros!

Leia +

Clonagem de cartão de crédito é a fraude mais comum no país

Leia +

Em uma coisa o Brasil é líder mundial disparado.

Leia +

Hora de o Congresso agir contra a crise

Leia +

Quanto custa seu funcionário

Leia +

Como prestar bom atendimento aos consumidores grisalhos?

Leia +

Crise prolongada corrói renda das famílias

Leia +

Shopping Crystal inaugura hub de coworking gratuito

Leia +
ARQUIVO    Clique para ver todas as notícias

CADASTRO

Cadastre-se e receba notícias
do Sindishopping


NOME
EMAIL
TELEFONE